Segredos da novela Carrossel


Existe uma geração (a minha, de quem foi criança nos anos 90), que ficou profundamente marcada por alguns nomes: Helena, Maria Joaquina, Cirilo, Carmen, Jaime, Valéria, Davi, Firmino, Rabito e muitos outros. E agora, vinte anos depois, estas mesmas figuras fazem parte da infância de uma nova leva de fãs. Homenageando uma das maiores novelas infantis da história, se divirta a seguir.

Antes de mais nada, uma pequena retrospectiva: em 1991, a produção mexicana (filmada dois anos antes) foi oferecida para a Rede Globo, que recusou a compra. Então, o SBT fechou contrato, comprando o produto por U$ 200 mil. No dia 20 de maio, a trama estreava. Como se sabe, aí começava o maior fenômeno da teledramaturgia da emissora de Silvio Santos, chegando bem perto de superar os índices do "Jornal Nacional" e da novela global "O Dono do Mundo". O canal mexicano ainda produziu duas novas versões, em 1992 ("Carrossel das Américas, exibida no Brasil quatro anos mais tarde) e em 2002 ("Viva às Crianças! - Carrossel 2", transmitida por aqui no ano seguinte). No último mês de maio, o SBT estreou seu próprio remake, que também vendo tendo ótimos índices de audiência, retomando a vice-liderança no horário para a rede.

Agora, conheça algumas curiosidades sobre este clássico! Vamos lá?






- A novela não é mexicana e foi criada nos anos 40: pois é. Talvez isto seja uma das maiores revelações para os fãs da trama. Ao contrário do que todos pensam, a versão mexicana, produzida pela Televisa em 1989, não é a original. Na verdade, a trama se originou nos anos 40, em contos publicados pelo dramaturgo Abel Santa Cruz. Nos anos 60, a história da professora Jacinta Pichimahuida (isso mesmo!) se espalharam pela mídia argentina, na forma de radionovela, telenovela e seriado de TV. Nas duas décadas seguinte, a história virou dois filmes, mais uma novela e também gibis, todos produzidos na Argentina. Só anos mais tarde, no final dos anos 80, é que surgiria a nova adaptação para TV, comprada pelo SBT e exibida por aqui a partir de 1991. E ainda existiram os dois remakes da Televisa, citados acima.

A seguir, veja uma comparação de algumas das principais adaptações (cada uma tem seu nome e ano de produção indicada no vídeo:


- A professora não se chamava Helena: outro dos fatos mais inusitados. Como já comentamos anteriormente, nas primeiras adaptações, a mestra era chamada de Jacinta. Já na versão mexicana, ao contrário do que todos pensam, o nome da docente interpretada por Gabriela Rivero também não é Helena. Esta foi uma tradução de nossa dublagem. Porém, em espanhol, a personagem se chama Ximena. Isso mesmo, o nome da figura tão amada pelas crianças era bem diferente! Neste caso, a adaptação brasileira melhorou o que veio do México.

- A música tema não existia: outra invenção do SBT! No México, o clássico tema de abertura não existia. A novela era introduzida com uma música instrumental, que chegou a ser exibida também no Brasil. Porém, o que marcou mesmo por aqui foi a canção "Carro Céu"(aquela com o refrão "Embarque neste carrossel..."). E sim, o nome da música era este mesmo. A canção era interpretada pelo grupo "Super Feliz", quarteto composto por quatro palhaços, entre eles Marcos Pajé, um dos intérpretes de Bozo. Na sequência, relembre os artistas, em apresentação no "Clube do Bolinha", em 1991. Veja esta raridade abaixo:



- Vários atores foram trocados: uma das maiores reclamações dos fãs mais atentos. Durante a trama, alguns atores foram trocados. Uma foi a mãe de Maria Joaquina que, em certo momento, passou a ser interpretada por uma nova atriz. O outro foi o zelador Firmino. E ah, o animal que representava Rabito, cachorro de Mário Ayala, também foi trocado ao longo da produção!



- A atual não é a primeira versão do SBT: no auge da primeira exibição a emissora criou um grupo cover. Com o enorme sucesso da novela, a atriz Gabriela Rivero se tornou figura frequente em nosso país, tendo participado de programas na emissora de Silvio, descido a rampa do planalto ao lado do presidente Collor e participado de comerciais. Então, para acompanhar a atriz em suas aparições, o SBT promoveu um concurso no qual escolheu uma turma de crianças para imitar os atores originais. Caracterizados como os personagens, eles sempre estavam presentes ao lado da Professora Helena em suas aparições públicas. Infelizmente, não existe material disponível sobre isso em vídeo. A seguir, veja a única foto disponível do grupo:

Eu, sinceramente, fico bem feliz com o sucesso da nova versão da novela. Além de ser bem interessante ver a atenção das crianças voltada novamente para programas infantis, sem maldade e apelação, também é muito legal ver o ressurgimento de um clássico, mesmo que em uma roupagem atual (que, no caso, respeita a anterior). 


Via: ColorScreen
Postado por: Bia Saraiva
comentários
Compartilhe: